quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Sem ar.

“Meu peito está todo cortado. São rasgos dos teus seios afiados. Das feridas escapa um grito mudo, abafado como o de um bebê abandonado dentro de um saco na correnteza do rio.  Ninguém escuta a minha dor.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário